Mais demanda de comércio eletrônico por parte dos usuários

O comércio eletrônico registrou aumento de 12,5% em relação ao ano passado devido às restrições de mobilidade recomendadas pelo Executivo nos últimos dias pelo crise do coronavírus. “Esta prática impede a circulação de pessoas e, portanto, retarda as possibilidades de contágio”, afirmou o presidente do empregador de logística da ONU, Francisco Aranda, e acrescentou que “como associação empresarial, solicitamos que não no caso de movimentação de mercadorias é restrito ".

A UNO publicou, em conjunto com a Comisiones Obreras (CCOO) e a UGT, um guia específico de recomendações para o setor de logística e transporte. É um documento com recomendações para prevenir o coronavírus ou para agir no caso dos acometidos. O objetivo deste material é “proporcionar calma, transparência, harmonizar ações e facilitar a coordenação para empresas e trabalhadores”, destacou a UNO.

Onde existem alguns setores que oferecem uma demanda maior do que outros por parte dos consumidores. Em um ambiente que pode ser muito mudando com o passar dos dias de agora em diante. Nesse sentido, deve-se destacar que um dos problemas que podem ser gerados após esse aumento da demanda do usuário é que no final pode gerar uma certa escassez e, conseqüentemente, um alarme social totalmente desnecessário.

Demanda em comércio eletrônico: o que oferece ao usuário?

Não há dúvida de que uma demanda no comércio eletrônico por parte dos usuários é motivada pela necessidade dos consumidores de terem uma série de produtos, serviços ou artigos que hoje não podem ser canalizados pelos canais tradicionais de sua comercialização. Nesse contexto geral, é necessário influenciar as vantagens que essas empresas geram junto ao grande público.

Um dos mais relevantes é o acesso a produtos que não podem ser adquiridos como o lojas ou lojas físicas fechadas devido aos novos regulamentos de exceção que foram implementados em nosso país. Por exemplo, na compra de telemóveis, materiais relacionados com as novas tecnologias, vestuário ou serviços de lazer e formação, entre alguns dos mais relevantes. E isso traz mais de uma vantagem em canalizar esse tipo de vendas em um formato online. Como os que vamos expor a partir de agora:

  • Poder alugar rapidamente da própria casa e através de um processo muito simples na sua formalização.
  • Com muita frequência, gera preços mais competitivos do que os canais tradicionais ou mais convencionais, o que pode ajudar os clientes ou usuários a economizar mais dinheiro desde o início.
  • Para sua canalização, basta ter um computador pessoal ou qualquer tipo de dispositivo tecnológico para que você possa demandar um produto, serviço ou item a partir de agora.
  • São administrados por diversos meios de pagamento, como cartões de crédito ou débito, pagamentos eletrônicos ou mesmo com moedas virtuais como o Bitcoin.

E por último, não se esqueça que essas compras online devem ter todas as garantias de segurança para proteger as operações ou movimentos dos clientes ou usuários.

Recursos de comércio eletrônico em tempos de crise

Este pode ser um setor que pode se revalorizar em momentos de grave crise econômica. Ao ponto que eles podem gerar um série de valores que é muito conveniente que você os leve em consideração a partir deste momento preciso. Por exemplo, por meio das seguintes ações que vamos mostrar abaixo:

Embora a demanda tenha se multiplicado, ainda não se sabe se a maioria das empresas que recebem esses pedidos conseguirá atendê-la. Isso porque o principal fornecedor de matérias-primas e produtos é a China, país mais afetado e iniciador do coronavírus.

Por outro lado, é um setor que pode sair vitorioso em decorrência de mais tempo livre por parte dos usuários. Nesse sentido, deve-se valorizar que o aumento do tempo livre da população obrigada a ficar em casa está produzindo um aumento do uso de serviços online e downloads de videogames. É uma das formas que estão utilizando para ocupar as horas de isolamento e ter algum lazer. Dessa forma, as lojas ou negócios online que oferecem esses produtos podem se beneficiar desse cenário, como está acontecendo no momento com o surto do coronavírus.

Dentro deste cenário tão especial e complexo ao mesmo tempo, não há dúvida de que neste momento pode-se dizer que o fato de muitas cidades estarem em completo isolamento e haver restrições à mobilidade, está produzindo um boom no provisionamento online a partir de casa . Com uma alternativa de lazer e treino muito maior do que em outros períodos da história.

Comparação de preços online

Nesse sentido, os números são muito claros para mostrar que nove em cada dez consumidores comparam preços online antes de comprar um produto. Isso é revelado pela pesquisa realizada por um importante comparador de seguros por ocasião do Dia do Consumidor. Encontro que acontece todos os dias 15 de março e que a empresa tem utilizado para esclarecer algumas dúvidas sobre os hábitos de consumo dos espanhóis.

Especificamente, 93% dos entrevistados afirmaram verificar os preços online quando planejam comprar um novo produto. Além disso, quase dois terços dos que o fazem finalizam a compra online. O objetivo é simples: informe-se e reduza custos. E é que a comparação nos dá a oportunidade de economizar até 50% em alguns serviços. É o caso, por exemplo, do seguro automóvel, mas não o único.

Não só o conveniência para fazer compras no formato online está a origem desta decisão pessoal por parte dos usuários ou clientes. Do contrário, é uma ação que atende aos anseios de boa parte dessas pessoas de interagir com o setor de consumo. A ponto de se interpretar que é uma tendência que vem aumentando nos últimos anos e que não tem mais retorno nos próximos anos. Como mostram os relatórios setoriais mais recentes, que dão uma pista esquisita de como será essa tendência de agora em diante, principalmente nos próximos dois ou três anos.

Menor crescimento econômico

Nesse cenário em que se move o comércio eletrônico, é preciso levar em consideração como o coronavírus pode afetar a atividade econômica em nível global. Porque de facto, e por enquanto o cenário gerido por diferentes agentes económicos e financeiros é de que o surto do vírus reduza o crescimento do PIB da China este ano em cerca de 0,3%, para 5,6% e no mundo em torno de 0,15%, para 2,6% ou 2,5 %. No entanto, a situação pode se agravar se o coronavírus não puder ser contido nos próximos dias. Neste sentido,

Mas, ao contrário, o comércio eletrônico representado pelas lojas ou comércio online pode emergir com especial força no atual momento conjuntural. Porque o fato de muitas cidades estarem em isolamento completo e há restrições à mobilidade, está produzindo um boom no provisionamento online de casa. Por exemplo, com produtos ou serviços intimamente relacionados a lazer e treinamento. A ponto de poderem ver suas vendas melhoradas nesses meses complexos para todos os usuários.

Não se pode esquecer que dentro das tendências que marcarão o futuro do comércio eletrônico nos próximos anos, este setor tão relevante na economia de todo o mundo tornou-se pouco menos que indispensável desde as primeiras transações online dos anos 90 até hoje. . De forma progressiva e estabelecendo seus alicerces neste segmento de negócios. Apesar das lacunas que gera no momento e que são totalmente compreensíveis pelos especialistas.

Onde é necessário destacar que embora a demanda tenha se multiplicado, ainda é incerto se a maioria das empresas que recebem esses pedidos conseguirão atendê-la. Isso porque o principal fornecedor de matérias-primas e produtos é a China, país mais afetado e iniciador do coronavírus. Desse ponto de vista, não está vulnerável aos possíveis efeitos que poderá ter sobre a economia mundial a partir deste mês de março. Mas, por outro lado, proporciona maior diversificação em suas linhas de negócios do que em outros setores mais convencionais ou tradicionais. A tal ponto que pode ser uma oportunidade real de negócios na maioria dos casos. Conforme mostrado nos relatórios setoriais mais recentes que foram refletidos nos últimos meses.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.