Economia de impostos com lojas ou empresas online

É uma boa estratégia à medida de qualquer empresário ou profissional e, principalmente, de pequenas e médias empresas que, com esta fórmula, podem reduzir o peso de gastos dessas empresas de agora em diante. E das quais vamos contribuir com alguma outra ideia para que as possas levar a cabo com algum sucesso nestes momentos complexos em que tens que viver estes dias.

Em primeiro lugar, deve-se observar que não existe receita mágica para reduzir a despesa tributária, mas alguns pequenos "truques" podem ser aplicados para evitar o pagamento da alíquota atual, e neste sentido um dos produtos mais vantajosos são os fundos. • investimentos, que permitem transferências entre eles sem aplicação de retenção de imposto na fonte, para posteriormente vendê-los quando começar a flexibilização de sua tributação.

No final das contas, trata-se de que você pode conter todas as suas despesas na loja ou no comércio online. Para que nos primeiros momentos esteja à disposição de enfrente suas necessidades mais básicas para promover esta linha de negócios muito especial. Algo que certamente não será nada fácil, mas com um pouco de perseverança e disciplina você acabará alcançando o objetivo desejado.

Economia de impostos sobre investimentos

Uma das principais queixas dos pequenos e médios aforradores sobre os produtos de investimento que alugam é o excesso de dinheiro que têm de dedicar ao cumprimento do seu tratamento fiscal, actualmente fixado em 21%, o que significa que por cada 100 euros ganhos em alguma de seus produtos, Tesouro leva 21 euros. Não existe uma receita mágica para aliviar essas despesas, isso é bastante claro, mas se você puder aplicar alguns pequenos "truques" para evitar o pagamento da alíquota atual.

Do ponto de vista de um dos produtos financeiros mais vantajosos para os seus titulares, como os fundos de investimento, é viável, em qualquer uma das suas variantes (renda fixa, variável, mista, monetária ...), visto que permitem transferências entre sem aplicar nenhum retenção fiscal (0%), desde que mantenham o capital investido em outro fundo por meio de operação de repasse. Mas tome muito cuidado ao formalizar qualquer tipo de venda com eles (seja parcial ou total) porque neste caso específico serão aplicadas na hora de finalizar a operação.

Com fundos de investimento

Deste ponto de vista, é preferível ficar em fundos de investimento a fechar as suas posições (vendê-los) e como se fosse uma caderneta de poupança, esperando que o seu saldo aumente com o passar dos dias. Pelo contrário, esta estratégia muito benéfica para assinantes não se aplica a outros produtos de poupança e investimento (depósitos, notas promissórias bancárias, mercado de ações, warrants…) Que não permitem a mudança direta para outro modelo do mesmo produto sem que este imposto lhes seja aplicado. Ou são vendidos com o desconto dos respectivos impostos ou, quando vencem, é formalizada a mesma operação, e sem possibilidade de obtenção de benefício fiscal.

Estes fundos permitem aos clientes tirar partido do potencial de crescimento que as bolsas de valores neste momento oferecem, sem arriscar os seus activos, podendo na maioria dos casos obter reavaliações através de uma vasta selecção de produtos com base em qualquer mercado de capitais., Nacionais e internacionais. e, em que os emergentes se destacam pela novidade.

As alternativas para optar por um fundo com estas características são muito amplas, desde aquelas baseadas em mercados emergentes até aquelas que baseiam seus investimentos nos mercados internacionais mais sugestivos para cada momento como norte-americano, europeu ou japonês, passando logicamente pelos nacionais. personagem. Podem ser subscritos a partir de 100 euros, mas o mais importante a ter em consideração é que - ao contrário de investir directamente na bolsa - têm um prazo mínimo de permanência sugerido que pode ser aumentado até 5 ou 7 anos, pelo qual está constituída numa classe de investimento direccionada para o médio e longo prazo.

Estratégias para melhorar a tributação

É claro que o tratamento tributário para produtos financeiros é o que existe no momento e não pode ser alterado até uma nova mudança na regulamentação, mas por meio de pequenos “truques” podemos mudar essa tendência, embora apenas em produtos específicos e não em todos eles, como você pode ver.

Nos fundos de investimento você pode ficar com as cotas ou fazer transferências para outros fundos (mesmo de diferentes gestores) para aguardar a redução da alíquota desses produtos. Precisamente agora, mais vozes de renomado prestígio profissional estão surgindo nas quais este queda nos impostos, que provavelmente chegava a 18%, conforme estabelecido anteriormente. Pois bem, se o dinheiro investido em fundos de investimento fosse mantido até aquele momento, os usuários poderiam economizar 3% em impostos.

Com relação aos demais produtos, tanto de renda fixa como variável, seria mais difícil concretizar essa estratégia, senão praticamente nula. Em qualquer caso, envolveria a subscrição de fundos a médio ou longo prazo, entre os anos 2 e 5, esperando o corte de impostos há muito aguardado chegar. O mesmo ocorreu em notas promissórias de bancos ou outros produtos similares (contratação por vários anos), enquanto em ações esse objetivo também seria possível alocando nosso investimento no longo prazo, ou justamente quando ocorrer um relaxamento fiscal.

Tributação na poupança

Obter um retorno por meio de dividendos e que seja mais benéfico do ponto de vista tributário para os usuários do que em outros modelos de investimento. Dado que, embora estejam sujeitos a uma retenção na fonte de 21%, é estabelecida uma isenção de imposto até 1.500 euros por ano para todos os dividendos ou participações nos lucros recebidos no exercício. Ainda que desde que ocorram as seguintes situações: se as ações que dão origem aos dividendos se encontram em carteira há mais de dois meses antes da cobrança ou se o são por mais de dois meses após a cobrança. Para isso, deve-se notar que atualmente as ações espanholas geram um rendimento de dividendos de entre 5% e 8%, ainda mais pelas empresas mais generosas do índice de ações.

A contratação de um plano de previdência também gera importantes vantagens fiscais. Na verdade, as contribuições para esses produtos dão o direito a uma redução na base tributária do Impostos sobre a febre das pessoas físicas, permitindo aos seus detentores diferir a tributação e obter poupanças fiscais. Todas as contribuições que o participante fizer durante o ano serão deduzidas da base de cálculo do imposto de renda, com os limites máximos previstos em lei.

Contas de alta lucratividade

Bancos e caixas econômicas estão lançando outros tipos de contas que oferecem maior remuneração aos seus clientes, embora devido à queda das taxas de juros, sejam raros os casos em que exceder 2% e, em que muitas das estratégias para comercializá-los residem em oferecer sua rentabilidade com base em tranches, de forma a recompensar os maiores valores depositados.

A marca deste tipo de produto é que geralmente não inclui taxas de manutenção ou administração e são acompanhados de outros serviços gratuitos para os seus titulares, como débito direto ou obtenção de cartões totalmente gratuitos.

Devido à queda recente e contínua das taxas de juro, muitas das entidades optaram por esquecer as taxas fixas e oferecer este tipo de contas referenciadas na Euribor, enquanto noutros casos as eliminaram directamente da sua oferta bancária.

A queda das taxas de juros nos últimos meses só prejudicou a atratividade que esse tipo de produto poderia ter, que em outros tempos chegava a proporcionar aos seus detentores uma rentabilidade até acima de 4%, e de 6% em algumas das promoções mais conhecidas, enquanto em no momento em que é raro que excedam 2%. Para isso, as entidades que os comercializam adornam-nos através de um conjunto de serviços que podem servir de reclamação para contratação. A obtenção de cartões gratuitos ou a possibilidade de fazer débitos diretos são algumas dessas reivindicações.

Em ambos os casos, essas contas oferecem juros mais elevados do que as contas correntes tradicionais, que na melhor das hipóteses não ultrapassam 1%. A tendência de queda das taxas de juros também afeta a oferta desses produtos. Algumas entidades deixaram de os ter directamente na oferta bancária, enquanto outras esquecem as taxas fixas e optam por referi-las à Euribor, índice a que se referem mais de 90% das hipotecas. Para isso, deve-se notar que atualmente as ações espanholas geram um rendimento de dividendos de entre 5% e 8%, ainda mais pelas empresas mais generosas do índice de ações.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de Ética editorial. Para relatar um erro, clique clique aqui.

Seja o primeiro a comentar

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.